Notícias

Nota de Repúdio – Demissão de profissionais e extinção de serviços em Camaragibe

07.02.2019

O CREFITO-1 – Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 1ª Região (AL/PE/PB/RN) – através do seu Grupo de Trabalho de Fisioterapia na Atenção Básica, vem a público expressar seu repúdio contra as demissões dos profissionais que trabalhavam no Consultório na Rua e nos Núcleos Ampliados de Saúde da Família – Nasf- e contra a extinção dos programas no município de Camaragibe (PE).

Tais equipes têm como objetivo aumentar as possibilidades de intervenção na Atenção Básica, atuando de maneira integrada e complementar às equipes de saúde da família, oferecendo suporte sanitário, clínico e pedagógico aos profissionais, além de ofertarem cuidados diretos à população por meio de atendimentos de acordo com as necessidades de cada usuário.

Considerando que o município possuía cinco equipes de Nasf oferecendo retaguarda a 45 equipes de saúde da família, além de um consultório na rua responsável pela oferta de cuidados à população de rua, a extinção desses programas e a demissão dos profissionais configuram uma perda significativa no que tange à assistência oferecida por profissionais qualificados a uma base populacional de aproximadamente 225 mil pessoas. Tal medida representa uma total precarização do cuidado oferecido e um desmonte da Atenção Básica em um município reconhecido por sua luta histórica na formulação e execução das políticas públicas nesse nível de atenção, sendo referência nacional com suas experiências exitosas.

Não podemos nos contentar com as justificativas apresentadas pela gestão do município na pessoa do Secretário de Saúde. Primeiro, porque os programas alvos de extinção recebem uma verba mensal para sua manutenção via repasse fundo a fundo do Ministério da Saúde. Segundo, porque a pesquisa realizada junto à população citada pelo Secretário não leva em consideração o processo de trabalho das equipes, o qual deve ser representado por indicadores de processo e não por conhecimento ou não sobre a existência dos programas. O impacto do trabalho das equipes deve ser, minimamente, avaliado junto a quem recebe os cuidados ofertados pelos profissionais.

O CREFITO-1, enquanto conselho de classe que zela por uma atenção à saúde de qualidade, equânime e universal, repudia veementemente a medida adotada pela gestão municipal de Camaragibe e se solidariza aos profissionais na luta em defesa da manutenção dos programas, posicionando-se contra “toda e qualquer ação de desmonte do SUS que venha a reforçar um modelo biomédico/hospitalocêntrico”, que incentive a descontinuidade do vínculo, do cuidado de base territorial e integral e do trabalho em equipe nos campos da promoção da saúde e da prevenção de agravos.