Notícias

CREFITO-1 participa da Feira de Soluções para a Saúde sobre o zika, em Salvador

08.08.2017

O Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 1° Região (CREFITO-1), através do Grupo de Trabalho de Síndrome Congênita do Zika Vírus, participa da Feira de Soluções para a Saúde, evento coordenado pela Fiocruz Brasília e pelo Centro de Integração de Dados e Conhecimentos para Saúde da Fiocruz Bahia (Cidacs), que acontece, em Salvador, até a próxima quinta-feira (10), e busca aliar o conhecimento científico a outros saberes e práticas na procura de soluções para a epidemia do Zika Vírus.

Durante os três dias do evento, o Conselho apresentará soluções de caráter, social, político e de serviços, que podem ser replicadas por diversas instituições e pessoas no Brasil. Nesta terça-feira (8) houve uma roda de conversa sobre reabilitação de bebês com microcefalia e outras deficiências, cujo intuito foi o de produzir cadeirinhas de baixo custo, feitas de papelão para crianças com síndromes ligadas às arboviroses e que têm dificuldades de posicionamento para se alimentar ou para receber estimulação motora apropriada. Além disso, ocorreram três oficinas: a primeira foi sobre tecnologia assistiva e dispositivos tecnológicos em atividades educacionais e de lazer; a segunda apresentou massagem Shantala e banho de ofurô como proposta para redução da irritabilidade em crianças com deficiência; enquanto a terceira exibiu práticas de promoção do vínculo e do cuidado.

Na quarta-feira (9), haverá apresentação dos trabalhos em formato de pôster referentes ao perfil dos fisioterapeutas que atuam com saúde da criança em Pernambuco; e à educação permanente multiprofissional no cuidado à síndrome congênita do Zika Vírus, além de outras oficinas, como terapia familiar e comunitária no contexto da criança com deficiência e redução de dor e técnicas de conservação de energia para indivíduos com sequelas pós Chikungunya.

No último dia da Feira, o CREFITO-1 estará presente em duas rodas de conversas, que irão tratar do cuidado e da proteção às crianças e famílias acometidas com a SCZv. Em seguida, serão realizados diálogos de experiência na busca por recursos para qualificação e formação de profissionais após a epidemia. Também serão procuradas soluções para a organização, gestão e integração de crianças e famílias vítimas do Zika que carecem de cuidados a curto, médio e longo prazo.

 

SAIBA MAIS: atividades como rodas de conversas, apresentações, mesas redondas oficinas, estandes, manifestações culturais e espaços de comunicação em saúde são alguns dos grandes atrativos inseridos na programação dessa e das próximas quatro feiras, cada uma realizada em uma região do país. No total,  todas reunirão pesquisadores, instituições dos setores público e privado e movimentos sociais interessados e comprometidos com o combate às doenças transmitidas pelo Aedes aegypti.